Serviços de Saúde

Search our Site

A estrutura do Serviço de Saúde, contemplava da frente para a retaguarda o seguinte:

- Postos de Socorros Avançados
- Postos de Socorros
- Ambulâncias;
- Hospitais de sangue;
- Depósitos de Convalescentes;
- Hospitais de Base;

  • Maqueiros Num Batalho
  • Os feridos da frente eram transportados pelos maqueiros e pelas vagonetas dos Decauville até aos Postos de Socorros Avançados (PSA), instalados normalmente na linha C, junto dos comandos dos Batalhões da frente, onde estavam os médicos dos batalhões. Cada Posto de Socorros Avançado (PSA) dispunha de um médico, 2 enfermeiros e 4 maqueiros. Daqui podiam ser evacuados para os Postos de Socorros (PS) mais recuados, na àrea de retaguarda das brigadas (na linha das aldeias) ou para as Ambulâncias, onde já se realizavam algumas operações de maior urgência. Cada Posto de Socorros de Brigada compreendia 2 médicos, 4 enfermeiros e 15 maqueiros.


  • Ambulancia
  • As Âmbulâncias estavam localizadas em Epinette, Vielle Chapelle e Zelobes. Das Ambulâncias podiam ainda ser evacuados para os dois Hospitais de Sangue ( em Merville e Saint Venant) e destes para os Hospitais de Base, quando o periodo previsto para recuperação fosse superior a 2 semanas. A evacuação dos hospitais de sangue para os hospitais portugueses da Base era assegurado pelos britânicos, pelo que os militares eram primeiro conduzidos aos hospitais britânicos e dali transitavam para os hospitais portugueses na zona da retaguarda, na Base do CEP. Na Base do CEP, que foi estabelecida em Ambleuteuse (no litoral entre Boulogne-sur-mer e Calais) funcionavam os dois Hospitais de Base ( HB 1 e HB 2) e o hospital da Cruz Vermelha Portuguesa.

Em regra a capacidade de cada um destes escalões do serviço de saúde da frente era a seguinte:

 DeitadosSentados

Postos de Socorros Avançado (em cada Batalhão)

70 205
Posto de Socorros 256 580
Ambulância 330 -

O serviço de Saúde do CEP era assegurado por 1927 militares do serviço de Saúde (475 oficias, 163 sargentos, 311 cabos e 978 soldados) e por 82 enfermeiras da Cruz Vermelha. As formações e os meios foram mobilizados basicamente pelos Grupos de Companhias de Saúde de Lisboa, de Coimbra e do Porto.

Serviço de Saúde:
Ambulâncias nº 1, 2, 3, 4 e 5ª

Duas Colunas Automóveis de Transporte de Feridos;

1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª Secções Hipomóveis de Transporte de Feridos;

 

 

O serviço em França garantia o funcionamento da seguinte estrutura:

  • O serviço em França garantia o funcionamento da seguinte estrutura:
  • Ambulâncias nº 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 e 8 (seis mobilizadas pelo 1º Grupo de Companhias de Saúde de Lisboa, uma pelo 2º Grupo de Compª de Saúde de Coimbra e outra pelo 3º Grupo de Compª de Saúde do Porto).Em regra cada Divisão dispunha de uma Ambulânica por cada Brigada na frente, (uma Ambulância era guarnecida por 10 oficiais e 85 sargentos e praças do serviço de saúde) podendo também juntar uma Ambulância com uma Coluna de Hospitalização ( 3 oficiais e 30 militares) e constituir Hospitais de Sangue na aérea de retaguarda do Corpo de Exército. A lógica era apoiar uma Divisão com duas Colunas de Hospitalização e ao nivel Corpo, dispor ainda de duas ou três Colunas de Hospitalização para constituir Hospitais de Sangue.


  • Viaturas Ambulancia
  • - Colunas Automóvel de Transporte de Feridos; (Inicialmente foram levantadas duas colunas automóvel, uma mobilizada pelo 2º Grupo de Companhias de Saúde em Coimbra e outra pelo 3º Grupo do Porto). Cada Divisão deveria dispor de uma Coluna de transporte de feridos em automóvel (constituída por 7 oficiais e outros 180 militares cada uma) e no escalão Corpo foi criada também uma 3ª Coluna para as tropas de Corpo.

- Seis Secções Hipomóveis de Transporte de Feridos; Cada Brigada deveria contar com o apoio de uma secção de transporte de feridos (hipomóvel).

 

 

Na retaguarda funcionavam ainda as seguintes valências do serviço de saúde:

  • Na retaguarda funcionavam ainda as seguintes valências do serviço de saúde:
  • - Serviço de Higiene e bacteriologia, constituído por 9 oficiais e 303 sargentos e praças. Dispunha de 2 automóveis laboratórios, um de bacteriologia e o outro de análises químicas. Este serviço tinha a missão de fiscalizar o saneamento das trincheiras e dos diversos aquartelamentos e estacionamentos, instalando as retretes, os incineradores para o lixo e para as fezes etc;


  • PT AHM FE CAVE AG A11 0748 M0001
  • Na dependência funcional deste serviço existiam em cada Batalhão de Infantaria e Grupo de artilharia, uma equipa de 3 praças que usavam um braçal amarelo e que constituíam o núcleo de saneamento responsáveis pela higiene dos estacionamentos, assim como existiam os núcleos de esterilização de águas, que tinham a missão de desinfecção das àguas.


  • Enfermeiras Da Cruz Vermelha   No Sector Recuado Do CEP Na Flandres
  • - Secção de Estomatologia, constituída por 2 oficiais e 20 sargentos e praças, dispondo de dois automóveis estomatológicos e um automóvel frigorifico.

    - Hospital de Cirurgia, (formação sanitária dos hospitais de Base) constituído por 41 oficiais e 177 sargentos e praças mobilizados pelo 1º Grupo de Companhias de Saúde.

    - Hospital de Medicina (formação sanitária dos hospitais de Base) e depósito de Convalescentes, constituído por 10 oficiais e 65 sargentos e praças (mobilizado pelo 1º Grupo de Companhias de Saúde).

    - Estação de Evacuação, assegurada por 9 oficiais e 25 sargentos e praças do 1º Grupo de Companhias de Saúde

 

Embora se tenham perdido alguns arquivos durante a batalha do Lys em 9 de abril de 1918, é possível ter uma idéia da quantidade de doentes que deram entrada nas Ambulâncias e nos dois Hospitais de Base durante a permanência do CEP em França:

 

Ambulâncias nº 1,3,4,5,8 e 9

Hospitais de Base 1 e 2

Total

Feridos

1390 921 2311
Gazeados 1867 619 2486
Outras doenças 29660 17013 46673
Soma 32917 18533 51470

  • PT AHM FE CAVE AG A11 0778 M0001
  • Instalado na retaguarda do Corpo Expedicionário Português, na zona de Ambleteuse, destinava-se a acolher e tratar feridos e doentes que necessitavam de um período de recuperação mais prolongado, seguindo o modelo dos "General Hospitals" ingleses. Inaugurado em Março de 1918, era constituído por 94 pavilhões e tinha capacidade para albergar quase dois mil doentes.


  • PT AHM FE CAVE AG A11 0641 M0001
  • O Hospital Militar Português, também denominado Hospital Central de Hendaia, foi instalado pelo Governo Português no antigo Casino de Hendaia, dispondo de 106 camas, de uma sala de radiografia e outra de operações. O material hospitalar foi parcialmente adquirido em Portugal, sendo completado com utensílios provenientes do Hospital Militar de Bayonne. Destinava-se a funcionar como ponto de transição no transporte de doentes e feridos entre França e Portugal.

 

 


VETERINÁRIA

  • PT AHM FE CAVE AG A11 0903 M0001
  • Além do serviço de saúde para o pessoal, existiam as seguintes duas Formações Veterinárias: A 1ª Secção Móvel Veterinária, na 1ª Divisão (mobilizada pelo Reg Cavª nº 4 de Lisboa) e a 2ª Secção Móvel Veterinária na 2ª Divisão (mobilizada pelo Reg Cavª 11 em Braga).


  • Veterinrias
  • Os solípedes eram tratados nas unidades e no CEP havia um depósito avançado de material sanitário com uma enfermaria de solípedes, sendo a evacuação assegurada pelos serviços britânicos.


  • PT AHM FE CAVE AG A11 0079 M0001
  • De Portugal foram enviados para França 7783 solípedes (cavalos e muares) e o exército britânico forneceu ao CEP cerca de 1500 animais.


  • PT AHM FE CAVE AG A11 0331 M0001
  • Morreram em combate 2187 solipedes e por doença morreram durante a guerra 744 solípedes (com mormo, catarros, arthrite, conjuntivite e cólicas). Além dos mortos registaram-se durante a guerra em França 8220 casos de ferimentos em solípedes, em combate e em acidentes.

logo

Comissão Coordenadora da Evocação do Centenário da Grande Guerra

 
 
Imagens: Arquivo Histórico Militar (fundo AHM-FE- CAVE-AG)
Fotos de equipamentos Núcleo Museológico das OGFE e do Museu Militar.
 
Textos: O CEP: Os Militares Sacrificados Pela Má Politica, Fronteira do Caos, 2016. A Nossa Artilharia na Grande Guerra (1914-1918), Caleidoscópio,2017.
 
Autores: Coordenação de Pedro Marquês de Sousa. Apoio na preparação de artigos militares OGFE e Fotos: Jorge Baltazar Pinto e André Fernandes.

Room Booking

Thanks for staying with us! Please fill out the form below and our staff will be in contact with your shortly.