Telegrafistas

Search our Site

  • PT AHM FE CAVE AG A11 0250 M0001
  • A arma de Engenharia do exército português mobilizou para França 4.099 militares (210 oficiais, 271 sargentos, 664 cabos e 2954 soldados) e entre estes estavam os militares do Serviço telegráfico, telefónico e de comunicações do CEP.
    Organização do Serviço Telegráfico do CEP
    Duas Companhias Divisionárias de Telegrafistas (uma para cada Divisão do CEP) e uma Companhia de Telegrafistas de Corpo (mobilizadas pelo Batalhão de Telegrafistas de Campanha em Lisboa)

  • COMPANHIA DE TELEGRAFISTAS DO CEP
    A Companhia de Telegrafistas do Corpo era constituída por uma Secção de Telegrafistas de Praça, uma Secção de Telegrafia por fios, uma Secção de Telegrafia sem fios e por uma Secção Automóvel Por Fio (Secção Automóvel de Ligação por Fio) sendo que a esta, cabia manter as ligações entre o Comando do Corpo aos Comandos das Divisões e à Artilharia Pesada.

  • COMPANHIA DE TELEGRAFISTAS DO CEP A Companhia de Telegrafistas do Corpo era constituída por uma Secção de Telegrafistas de Praça, uma Secção de Telegrafia por fios, uma Secção de Telegrafia sem fios e por uma Secção Automóvel Por Fio (Secção Automóvel de Ligação por Fio) sendo que a esta, cabia manter as ligações entre o Comando do Corpo aos Comandos das Divisões e à Artilharia Pesada.

 

  • Artilheiros Alemaes
  • Serviço Telegráfico ao nível da Divisão
    Numa Brigada de Infantaria, existia uma central telefónica no Posto de Comando da Brigada e que em alguns casos era a mesma da central telefónica do Comando do Grupo de Artilharia que apoiava a Brigada ( embora nem em todos os casos isso fosse possível). Num Batalhão de Infantaria, a central telefónica do posto de comando avançado, era localizado junto do comando de uma das suas companhias e nesta rede era muito importante a ligação à unidade de artilharia que o apoiava.

 

  • Telefone Telegrafia TPF M 1915
  • Na Artilharia as comunicações com os batalhões era feita através da estação do Grupo, mas isso não era muito eficaz. Á frente das Baterias e à retaguarda dos postos de observação havia um Posto Central de Postos de Observação, aonde iam ter todas as linhas destes, e por onde passavam as linhas das baterias e dos Grupos.

  • Ataque Alemao
  • TELEGRAFISTAS DE PRAÇA
    Nos Batalhões de Infantaria, em cada Batalhão, existiam duas redes de comunicações por fio:
    - A rede de alarme SOS usada apenas para pedidos de socorro (SOS), ligando todas as estações e os postos de observação avançados do Batalhão, que tinham telefones. Os telefones eram ligados em paralelo e eram operados por sinaleiros.
    - A rede normal ligava o comando do Batalhão às suas Companhias, aos postos avançados, aos batalhões adjacentes, às unidades de artilharia em apoio e ao comando da sua brigada. Os militares que operavam os telefones neste rede eram militares da Companhia de Telegrafistas de Praça, guarda firos e sinaleiros.

  • PT AHM FE CAVE AG A11 0250 M0001
  • Cada batalhão contava com o apoio de cinco (5) praças da Companhia de Telegrafistas, ficando um no comando do Batalhão e um em cada umas das 4 companhias. Os 3 guarda-fios estavam no Batalhão e os sinaleiros (dois por companhia, 8 no total), asseguravam o posto SOS da companhia quando esta estava na linha da frente (A).

logo

Comissão Coordenadora da Evocação do Centenário da Grande Guerra

 
 
Imagens: Arquivo Histórico Militar (fundo AHM-FE- CAVE-AG)
Fotos de equipamentos Núcleo Museológico das OGFE e do Museu Militar.
 
Textos: O CEP: Os Militares Sacrificados Pela Má Politica, Fronteira do Caos, 2016. A Nossa Artilharia na Grande Guerra (1914-1918), Caleidoscópio,2017.
 
Autores: Coordenação de Pedro Marquês de Sousa. Apoio na preparação de artigos militares OGFE e Fotos: Jorge Baltazar Pinto e André Fernandes.

Room Booking

Thanks for staying with us! Please fill out the form below and our staff will be in contact with your shortly.